One Piece RPG
Natureza Médica XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Phantom Blood
Natureza Médica Emptypor Licia Hoje à(s) 02:53

» Escaping Mean! Run Ria, Run!
Natureza Médica Emptypor Milabbh Hoje à(s) 02:29

» [LB] O Florescer de Utopia III
Natureza Médica Emptypor Vincent Hoje à(s) 01:08

» As mil espadas - As mil aranhas
Natureza Médica Emptypor jonyorlando Hoje à(s) 00:42

» Noskire M. Hughes
Natureza Médica Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 00:28

» Yami Sukehiro
Natureza Médica Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 00:22

» Yami Sukehiro
Natureza Médica Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 00:21

» [Ficha] Kuze Kyoji
Natureza Médica Emptypor ADM.Senshi Ontem à(s) 23:43

» Vivian Strongwill
Natureza Médica Emptypor ADM.Senshi Ontem à(s) 23:37

» The One Above All
Natureza Médica Emptypor CrowKuro Ontem à(s) 23:18

» II - Growing Bonds
Natureza Médica Emptypor Vincent Ontem à(s) 22:41

» Busca Implacável
Natureza Médica Emptypor GM.Noskire Ontem à(s) 22:07

» Do ferro ao aço
Natureza Médica Emptypor Anjodk Ontem à(s) 21:42

» 1º Ato - O Despertar
Natureza Médica Emptypor Chaitanya Mahaprabhu Ontem à(s) 21:39

» MINI - Abraço de Urso
Natureza Médica Emptypor TheJoker Ontem à(s) 20:34

» ブルーベリーパイ ~ Blueberry Pie
Natureza Médica Emptypor Skÿller Ontem à(s) 20:24

» Fanalis B. Ria
Natureza Médica Emptypor GM.Noskire Ontem à(s) 20:19

» Enuma Elish
Natureza Médica Emptypor GM.Furry Ontem à(s) 20:12

» 1º Cap: O começo de uma grande aventura
Natureza Médica Emptypor JaponeisLK Ontem à(s) 19:54

» Vamos nos aventurar! Anjinhas me aguardem...
Natureza Médica Emptypor Pippos Ontem à(s) 19:53



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 Natureza Médica

Ir em baixo 
Ir à página : 1, 2, 3  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 53
Warn : Natureza Médica 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 26
Localização : 1ª Rota - Karakui

Natureza Médica Empty
MensagemAssunto: Natureza Médica   Natureza Médica EmptySeg 23 Mar 2020, 13:58

Natureza Médica

Aqui ocorrerá a aventura do(a) civil Shiroishi Raghu. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Ficha | Aventura

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: Regras | Mudanças Importantes | Crie seu Personagem | Mini-Aventuras
Voltar ao Topo Ir em baixo
Raghu
Designer
Designer
Raghu

Créditos : 3
Warn : Natureza Médica 10010
Masculino Data de inscrição : 07/03/2015
Idade : 24
Localização : Limbo

Natureza Médica Empty
MensagemAssunto: Re: Natureza Médica   Natureza Médica EmptyQua 25 Mar 2020, 04:47






Natureza Médica


O tédio pode ser um ninho de infinitas possibilidades, sendo estas boas e ruins. Grandes ideias surgem, grandes negócios são criados, inúmeras atividades são praticadas, no entanto o oposto também pode acontecer, o ócio, a procrastinação e o desperdício daquilo que é mais precioso para toda criatura viva: o tempo.
Até onde uma pessoa pode ir estando neste estado é sempre uma surpresa, ambos os extremos podem ser, ou não, definidores para o futuro. Porém, uma terceira opção também deve ser considerada, uma estrada onde nem as boas possibilidades e nem as ruins são exclusivas. O caminho do meio é onde me encontro nesse momento. Tanto com boas ideias quanto desperdiçando o meu tempo, tudo isso define a vida que venho levando ultimamente e isso não me leva nem perto do meu objetivo final, do remédio supremo capaz de curar qualquer coisa e tão pouco de qualquer rumo positivo para mim. Eu preciso sair deste tédio profissional e pessoal.

Estando no porto de Lvneel Kingdom há poucas dezenas de minutos queria me dar ao luxo de me perder em pensamentos como esses, confusos porém reflexivos. O último trabalho havia provado o ponto. Dias em alto mar “salvando a vida” de bêbados sem rumo apenas para entregarem pêssego por uma mixaria de pagamento. Não havia sido por isso que me tornei médico, tão pouco era a carreira que meu pai tinha. Ele era respeitado pelo mundo inteiro. Piratas, revolucionários, marinheiros… “Criar a cura da ressaca” e cuidar de um bêbado que perdeu a consciência e caiu de cabeça em uma quina de mesa não era exatamente o meu plano de vida.

“Por que diabos eu me deixei levar nessa “cura” pra ressaca? Pelo amor de deus, Raghu…”
Levo a mão direita até meu rosto, cobrindo-o enquanto balanço a cabeça em reprovação à mim mesmo.


- E ainda fiquei sem minha espada. Ótimo. - Lembrou-se de como um dos bêbados a fez cair no oceano. - Devia ter cobrado por isso… Droga.

Como havia saído irritado do navio, não havia prestado atenção em nada ao seu redor e, por isso, levantaria a cabeça e passaria o meu único olho bom pelo local, tentando reconhecer território, buscando alguma figura que se destacasse ou qualquer coisa que pudesse chamar a minha atenção.

“Acho que a primeira coisa que eu deveria fazer é ir atrás de uma espada nova. Andar desarmado por aí não é lá muito inteligente.”

Conhecia um pouco da cidade, já que fez inúmeras viagens pelo North Blue, mas nunca tratou de andar por ela ou decorar qualquer coisa, por isso procuraria alguma indicação que pudesse me levar até o centro comercial ou algo do gênero, buscaria por uma placa, talvez.
Caso encontrasse uma pessoa para quem perguntar, seria direto quanto à localização de uma loja de espadas, agradecendo-a no final. - Muito obrigado, passar bem. - Seguiria para a localização informada independente da forma como conseguisse a informação.

"Vamos fazer um acordo, Raghu. Eu e você, você e eu. Chega de trabalhos merdas, chega de bêbados e, principalmente, chega de fazer o fantasma do seu pai que está no teu cangote passar vergonha. Vou começar aprimorando meus conhecimentos, voltar à velha forma. Agora é hora do Doutor Shiroishi Raghu florescer”

- Que idiotice. - Diria durante a caminhada sobre seus próprios pensamentos. – Melhor eu me armar e procurar um trabalho logo.







Ao futuro narrador:
 

Objetivos:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

- Ficha - Aventura - Galeria -

- Fala
"Pensamento"
- Fala / "Lembrança de fala" de terceiros



Voltar ao Topo Ir em baixo
Muffatu
Narrador
Narrador
Muffatu

Créditos : 14
Warn : Natureza Médica 10010
Data de inscrição : 04/02/2020

Natureza Médica Empty
MensagemAssunto: Re: Natureza Médica   Natureza Médica EmptyTer 07 Abr 2020, 22:17

Muffatu Presents:

Chapéus, sapatos e armas usadas: Quem tem?




O ambiente com mais árvores que gente estava de certa forma mais sisudo. o ar frio tomava conta da cidade e por algum motivo parecia que o céu não estava para brincadeira. Pouco céu azul, muitas nuvens em tons acinzentados.

As pessoas caminhavam como se nada estivesse acontecendo e de fato para elas nada acontecia por ali. O que mais teria para se fazer em uma cidade onde o Rei é terrivel e seu filho é um deficiente? Exatamente, apostar quando o rei morreria e quem mataria o filho dele.

Assim que a figura de jaleco pergunta para as pessoas por uma loja de espadas elas estranham, mas logo mostram um lugar. A Loja de Quinquilharias do Velho Jhon. Ao que parecia era um “Temos tudo” tamanho miniatura.

Ao chegar até o endereço passado, nosso médico poderia ver uma loja feita de madiera com uma placa grande sobre a porta: Loja do Jhon.

Ao entrar ele passaria por uma porta de ferro extremamente bem feita, do lado de dentro poderia ver várias prateleiras com inúmeros objetos por toda a parte, era como se alguém tivesse arrumado aquilo por ordem alfabética. Perto de álcool estava acelga e acetona. Ao lado de uma bola de borracha, uma bomba antiga e um bambolê e assim por diante. Ao chegar até o balcão poderia ver um homem de aparentemente 50 anos, com um olho claramente cego, negro, alto e com cara de ótimo negociante:


- OLÁ RAPAZ! O QUE PORCURAS? SE PREUCURA UMAS MANTA BOA, TENHO MANTA DE QUARIDADE.

Falando alto como se Raghu estivesse do outro lado… da cidade… ele gesticulava mostrando todo o tipo de coisa.
bichaelson



Código:


[color=#cc9900] - Velho Jhon


Pedidos do Tio Muffatu:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


“Aventuras”:
 


Objetivos:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Raghu
Designer
Designer
Raghu

Créditos : 3
Warn : Natureza Médica 10010
Masculino Data de inscrição : 07/03/2015
Idade : 24
Localização : Limbo

Natureza Médica Empty
MensagemAssunto: Re: Natureza Médica   Natureza Médica EmptyQua 08 Abr 2020, 02:49






Natureza Médica


Sentia o ar frio passando pelo meu corpo, movendo meus cabelos e meu jaleco conforme sua dança. A natureza parece que não está para brincadeiras, mas não demonstra ser nada anormal, ao menos por enquanto. Finalmente conseguia a informação e, agora com um rumo para seguir, caminhava na direção apontada com as mãos dentro dos bolsos do jaleco. O corpo meio curvado para frente e os olhos caídos demonstravam certo cansaço, mas com certeza era algo mais mental do que físico. Estava de saco cheio.
Caminhou por um tempo até chegar ao endereço passado, pararia por um tempo à sua frente para analisa-la com seu olho. A construção de madeira não demonstrava nada fora do comum, porém a porta de ferro era excepcionalmente bem-feita em comparação. Os lábios puxados para trás revelavam uma certa admiração pelo objeto.

- Então essa é a loja do Jhon? Okay. Se ele não tiver uma espada posso levar essa porta para espancar alguém. – Nem mesmo eu achei graça na piada.

Ao adentrar ao estabelecimento, prestaria atenção nos arredores e prateleiras, tal qual sua organização. Era surpreendente que um localzinho destes se desse ao trabalho de ter tanta ordem em seus produtos. “Meio bizarro, na verdade.” Os pés se moviam lentamente até o balcão onde seu olho se encontraria com... outro olho.

- Hmm... – Fitaria o olho cego do homem antes de realmente trocar olhares com o olho bom. Quem diria que toparia com um "irmão de um olho só". – Bela porta você tem ali atrás.

- OLÁ RAPAZ! O QUE PORCURAS? SE PREUCURA UMAS MANTA BOA, TENHO MANTA DE QUARIDADE. - Os gritos arregalariam meu olho, me surpreendendo. As gesticulações de início eram acompanhadas, mas rapidamente me cansaram e passaria a ignorá-las.

“Além de um olho vou precisar de novos tímpanos agora.”

Já de semblante fechado e com uma sobrancelha erguida, buscaria revidar apenas para tentar incomodá-lo. - TUDO BEM COM O SENHOR? NÃO PRECISO DE MANTA, OBRIGADO. – Gritaria o mais alto que meus pulmões permitissem, devolveria na mesma moeda! No entanto seria só isso, não tinha paciência nem queria gastar cordas vocais com algo tão bobo. Na próxima frase o tom de voz usual estaria de volta. – Queria uma espada, por favor. Uma katana minimamente decente.

Aguardaria para que o homem estranho dessa vez mostrasse o produto que procurava e, enquanto isso, acompanharia suas próximas falas, ou gritos. Caso ele mostrasses a tal katana que procurava, pediria educadamente para vê-la em suas mãos e, se permitido a desembainharia para observar a sua lâmina e seu corte, buscaria conferir o seu corte passando o dedo polegar no mesmo.
Caso estivesse tudo certo, ou não fosse permitido que visse a espada, iria partir para a pechincha. Por já ter comprado espadas semelhantes antes, chutaria um preço de 30.000 caso o tal de John não tivesse especificado.

- Então... Pago 25.000 nela, aqui e agora. O que acha, velho? – Não tinha problemas em pagar o preço cheio, mas se possível pouparia esses cinco mil. Insistiria apenas mais uma vez em caso de recusa, mas aceitaria sem problemas em seguida. – Ok então. Temos um acordo. Eu vou levar. – Diria independente dos casos.

Botaria a katana em sua bainha novamente, se estivesse fora, e a prenderia em sua cintura do lado esquerdo de seu corpo. Voltaria ao balcão se tivessem se movido, se não faria o pagamento ali mesmo, entregando para John o preço combinado anteriormente.

- OBRIGADO! – Novamente encheria os pulmões. – Sabe de alguém que está precisando de um médico por estas bandas? Talvez até mesmo o senhor? – Aproveitaria a chance para conseguir alguma informação, afinal, esse tipo de pessoa costuma conhecer e conversar com muitas pessoas, ou se não, ouvir a conversa de muitas pessoas. Poderia ter alguma informação útil para a minha estadia naquele lugar. Aguardaria ansiosamente pela sua resposta, buscando me atentar à todos os detalhes mesmo se estes viessem aos berros novamente.







Objetivos:
 

Realizando os pedidos do Tio Muffatu:
 

Status da Aventura:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

- Ficha - Aventura - Galeria -

- Fala
"Pensamento"
- Fala / "Lembrança de fala" de terceiros



Voltar ao Topo Ir em baixo
Muffatu
Narrador
Narrador
Muffatu

Créditos : 14
Warn : Natureza Médica 10010
Data de inscrição : 04/02/2020

Natureza Médica Empty
MensagemAssunto: Re: Natureza Médica   Natureza Médica EmptyQui 09 Abr 2020, 18:07

Muffatu Presents:

Admiravel olho novo.




Jhon olha para o homem de jaleco e sorri de orelha a orelha!

- RAPAZ! VOCÊ TAMBÉM FALA NORMAL… AH PRONTO, JÁ TÁ FALANDO BAIXO, TÁ CELTO.. Vou falar baxo tumém. Bem, as manta são de quaridade, como falei, se suncê não qué, tudo bem… Katana… Eu acho que devo ter alguma coisa dessas perdida..


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

O velho sai de trás do balcão passando por uma porta vai e vem. Começa a caminhar até uma área. Volta de lá com duas Katanas. as duas são bem trabalhadas no visual e pelo cabo parece já ter sido bem surrada.

- AQUI RAPAZ! Ah é… você sussurra… Bem, tenho duas dessa… Elas estão… Firmes...Eu não sei como mexer com essas coisa de corte não meu fi.. Sou das antiga, prefiro uns sopapo sabe?

O velho observa o rapaz cuidadosamente escolher sua arma e então dar o seu preço, Jhon sorri e então ele diz:

- Maizi é claro! Está firmado pra mim. Se estiver firmado pro cê.

Ele fica super feliz em ter fechado um negócio, guarda as B$25.000,00 em uma caixa de metal e então responde a pergunta do médico.

- RAPAZ! O CÊ É DOTÔ? EU PRINCISEI SIM, MAS FAIS UM TEMPO… HOJE SÓ SOU EU MEMO. MAS AQUI DOS LADO, PRA ESSAS BANDA TEM UMAS PESSOA QUE PRECISA SIM. PREUCURA A DONA MASCHUL ETAH, ELA TEM UMA POSADA COM UMAS PESSOA QUE ELA AJUDA, DIZ QUE UMA TAR DE DOENÇA AÍ DE NOME ENGRAÇADO… SAMUPARANPO… UMA COISA ANSIM.

Percebendo que falou em seu tom normal ele faz um sinal com as mãos como se pedisse desculpa e sorri.

Saindo da loja a poucos metros dali, o nosso médico poderia ver ao longe algumas pessoas entrando e saindo de uma estalagem que trazia o nome que Jhon havia dito. Se ele procurava algo para tratar, ali era o caminho!



bichaelson


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


“Aventuras”:
 


Objetivos:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Raghu
Designer
Designer
Raghu

Créditos : 3
Warn : Natureza Médica 10010
Masculino Data de inscrição : 07/03/2015
Idade : 24
Localização : Limbo

Natureza Médica Empty
MensagemAssunto: Re: Natureza Médica   Natureza Médica EmptySex 10 Abr 2020, 18:29






Natureza Médica


Com a Katana devidamente adquirida e guardada, meus esforços voltariam para o que mais importa em minha vida, ou seja, a medicina. Já tendo perguntado ao homem informações sobre alguém que talvez necessitasse dos meus serviços, acabei ouvindo as altíssimas palavras de Jhon dizendo que há um tempo ele estava precisando de um médico. A curiosidade me fazia querer perguntar o que havia acontecido, mas não queria fazê-lo reviver lembranças ruins se fosse o caso, então apenas deixei de lado.
Logo em seguida a informação que esperava finalmente veio, uma tal de Maschul Etah dona de uma pousada que ajuda a cuidar da tal doença de Samuparanpo. Abriria um pequeno sorriso no canto de minha boca, fechando os olhos por alguns segundos e agradecendo-o com um gesto de cabeça.

- Muito obrigado, senhor, eu irei até lá. Tenha um bom dia.

Era engraçado aquele homem acenar pedindo desculpas pelo tom de sua voz. De fato era incomum alguém achar normal gritar por ai e dizer que os outros apenas “sussurram”, mas não tinha tanto interesse nessa história e, portanto, ignoraria. Já havia se divertido gritando de volta mais cedo.
Moveria os pés na direção da saída, acenando um tchauzinho para o homem no processo. Ao abaixar a mão, ela iria até o queixo para “ajudar” em meus pensamentos.

“Samurapanpo? Samupanparo? O que foi que ele falou? Mas enfim, deve ser Sarampo... Coisinha chata. Será que a tal mulher está lidando com crianças? Se for o caso preciso ajudá-la. Agora... Maschul Etah... Devo confiar que o tal Jhon passou o nome certo?" – Raghu riria sozinho.

Já do lado de fora, olharia ao redor buscando qualquer coisa que pudesse fazer referência à tal pousada que o homem havia lhe indicado e, não muito longe dali, seu olho encontrou uma pequena aglomeração de pessoas entrando e saindo de algum lugar. Se aproximaria um pouco, buscando ver a fachada do local e, ao chegar à uma distância suficiente, percebeu que o nome era o mesmo que Jhon lhe passara. Sua boca se contrairia e suas sobrancelhas fariam o movimento de subir e descer, como se tivesse desgostado de algo e isso, é claro, era referente à uma possível aglomeração lá dentro.

“Ser médico e preferir ficar longe de muitas pessoas é meio estranho, Raghu. Mas vamos lá.”

Ele caminharia até o local, adentrando-o, seu olho faria um belo reconhecimento do interior buscando quaisquer informações que fossem minimamente relevantes para o médico. O que procurava, em especial, era a tal Maschul Etah e, por isso, buscaria uma mulher que aparentasse estar comandando o local ou servindo de referência ali dentro.
Caso encontrasse qualquer uma que se assemelhasse à sua busca, ou desistisse e fosse perguntar para o mais próximo, usaria um tom de voz calmo porém firme para iniciar a conversa.

- Olá. Estou procurando por Maschul Etah, por favor? O velho Jhon me disse para vir aqui. Alias, ele gritou para que eu viesse. – Caso encontrasse a Etah, continuaria. – Me chamo Raghu, sou médico. Ele disse que você talvez estivesse precisando dos meus serviços, poderíamos conversar a respeito?

Cuidar de sarampo era algo que ele já havia feito, mas com certeza não era a coisa mais agradável dentre todas as possíveis na sua profissão. Mesmo havendo coisas infinitamente piores, doenças visíveis na pele jamais seriam suas favoritas.







Objetivos:
 

Status da Aventura:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

- Ficha - Aventura - Galeria -

- Fala
"Pensamento"
- Fala / "Lembrança de fala" de terceiros



Voltar ao Topo Ir em baixo
Muffatu
Narrador
Narrador
Muffatu

Créditos : 14
Warn : Natureza Médica 10010
Data de inscrição : 04/02/2020

Natureza Médica Empty
MensagemAssunto: Re: Natureza Médica   Natureza Médica EmptySeg 13 Abr 2020, 18:21

Muffatu Presents:

Tem uma bolinha aqui...




Assim que chega no local de fácil acesso Raghu pode ver uma mulher muito bonita em um balcão anotando algumas coisas. Ela olha para ele com o jaleco e abre um sorriso:


- Dizem que as coisas que pedimos com bastante vontade acontecem...  O senhor é um médico, certo?


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Ela dá um trago em seu cigarro e o apaga em um cinzeiro ao seu lado direito feito de lata. As unhas bem feitas demonstram uma mulher cuidadosa com sua aparência. Ela sorri mais uma vez e com uma voz melodica.

- Certo Raghu… O que temos aqui é algo por hora tranquilo. Nossas crianças estão sofrendo de Sarampo. O velho John é excêntrico mesmo HiHiHiHiHi Vou chamar a dona Etah. Só um momento...

Ela sai de trás do balcão entra em uma porta e pouco tempo depois uma mulher mais velha aparece no mesmo balcão.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

- Oi rapaz… Minha bisneta deve ter te falado sobre nosso problema. E realmente estamos com um número de caso relativamente grande. Não sabemos como cuidar muito bem. Temos chás e banhos para curar as feridas, mas não é o suficiente, sabe?

Ela para, olha para o médico e sorri:

- Pode nos ajudar? São ao todo 12 crianças.

Ela caminha e faz um sinal para que o médico a seguisse, caso ele desejasse ajudar, e passariam por uma porta com trancas em cima e embaixo. Ao passar dessa porta um longo corredor com diversas portas poderia ser visto. Ao fundo outra porta com o mesmo jogo de trancas.

Passando essa outra porta, uma espécie de galpão de 7m² poderia ser visto, algumas marcações no chão e então ao fundo uma espécie de edícula onde as crianças estavam em diversas beliches.

Uma das crianças desce da cama, começa a caminhar para perto do médico e então é interrompido por Etah.


- Menino! Fica na cama, não sabemos se o doutor está imune...

bichaelson



Código:


[color=#ff66ff] - Maschul Etah
[color=#cc9900] - Velho Jhon
[color=#ff6699] - Kader Ni Etah

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


“Aventuras”:
 


Objetivos:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Raghu
Designer
Designer
Raghu

Créditos : 3
Warn : Natureza Médica 10010
Masculino Data de inscrição : 07/03/2015
Idade : 24
Localização : Limbo

Natureza Médica Empty
MensagemAssunto: Re: Natureza Médica   Natureza Médica EmptyTer 14 Abr 2020, 04:43




Natureza Médica

Logo que adentrei ao local uma bela moça me notou, disse algumas coisas que, por ainda estar me localizando e tentando encontrar algo lá dentro não prestei atenção. Logo ela me alcançou com um sorriso no rosto, perguntando sobre ele. Rapidamente me apresentei, notando o péssimo hábito fumante da mulher, julgando-a levemente em meus pensamentos.

- Certo Raghu… O que temos aqui é algo por hora tranquilo. Nossas crianças estão sofrendo de Sarampo. O velho John é excêntrico mesmo HiHiHiHiHi Vou chamar a dona Etah. Só um momento...

- Ele com certeza é bem excêntrico, mas me parece uma boa pessoa. – Daria um sorriso quando ela disse que chamaria a responsável.

Então a mulher se separa do balcão e entra em uma porta. O importante dessa conversa fora a confirmação de que se tratava de sarampo e, pior ainda, de crianças com a doença. Não havia muito que se fazer ali, mas sem os cuidados necessários a coisa poderia ser grave. Já estava certo de que ajudaria.
Não demorou muito para que uma idosa saísse da mesma e viesse até mim conversar.

- Oi rapaz… Minha bisneta deve ter te falado sobre nosso problema. E realmente estamos com um número de caso relativamente grande. Não sabemos como cuidar muito bem. Temos chás e banhos para curar as feridas, mas não é o suficiente, sabe? – Observou-a sorrir. - Pode nos ajudar? São ao todo 12 crianças.

- Bisneta, é? – Ergueria as sobrancelhas, imaginando que a senhora estivesse com o pé na cova. – Eu entendo, senhora. Eu irei ajudar, pode me mostrar as crianças?

Obedeceria o sinal feito pela tal Etah, seguindo-a pelo local. Minha mente estava afetada com a situação, não pela mulher ou sua neta e, claro, tão pouco pelo velho Jhon. O problema estava em meus fracassos. Quanto tempo havia perdido me juntando a vagabundos no North Blue? Cuidando de ressacas enquanto crianças sofrem e morrem de Sarampo.
A decisão de meu pai em tornar-se marinheiro fazia ainda mais sentido agora. Talvez fosse um norte a seguir, mas isso era algo a se pensar depois. Porque agora...

“Crianças... É nessas horas que eu preciso me lembrar do que é realmente importante. Eu preciso estudar e me aprimorar cada vez mais para, um dia, criar um remédio que cure tudo!” – Rangeria os dentes durante tais pensamentos.

Notaria as curiosas portas por quais passávamos, cheias de trancas como se abrigassem criminosos e não doentes. Imaginava que era pelo alto contágio da doença, mas... Era mesmo necessário? Questionaria a velha depois.
Após finalmente passarmos a última porta, daria de cara com um galpão relativamente pequeno e, ao fundo, as crianças em seus beliches.
Observaria um dos pequenos sair da cama e correr em sua direção, sendo barrado pela senhora que dizia palavras para me proteger. Não estava gostando dessa história e, mesmo se fosse o caso de não ter anticorpos, ainda iria até a criança com passos largos, buscando ignorar totalmente Etah.
Como um médico que iniciou cedo seus estudos, eu já havia me deparado com mais casos de sarampo do que gostaria, principalmente enquanto estudava medicina no hospital e ajudava médicos a cuidarem de pacientes. Havia pego Sarampo e sabia o quão incômodo e horrível poderia ser. Nem todos que presenciei com a doença tiveram minha sorte.

- Olá. Como se chama? Eu sou Raghu, estou aqui para ajudar vocês. – Se abaixaria na frente da criança, sorrindo, levando gentilmente a mão até a testa dela para aferir sua temperatura. – Tem tossido bastante? – Observaria o nariz da criança atrás de rastros de coriza, assim como a situação dos olhos e possíveis irritações na pele. – E a garganta, dói? – Lembraria sempre de sorrir para demonstrar que estava ali para ajudar. – Mais alguma coisa que queira me contar? Qualquer coisa. Não precisa ser relacionado à doença. – Ainda estava desconfiado pela quantidade de segurança para manter crianças doentes ali.

Após tudo isso, se tudo ocorresse bem, me levantaria e voltaria as atenções para Etah. Confirmado os sintomas de Sarampo, começaria a passar instruções.

-  Não existe cura para Sarampo ainda. - Um grande ênfase no ainda. - Não há muitas coisas que eu posso fazer, mas precisamos trata-las para que a doença não piore. Você citou chás e banhos, podem continuar com isso, mas mantenham os banhos mornos ou gelados, não faça nada que aumente a temperatura delas, nossa prioridade é abaixa-la, se tiver remédios para isso ótimo. - Respiraria para ter fôlego para as próximas instruções. -  Precisamos de alimentos ricos em vitamina A, então se possível, iremos alimentá-las com ovos, espinafre, cenoura, tomate e qualquer outra coisa que se encaixe nisso. Devemos deixa-las bem hidratadas também. – O olhar se tornaria um pouco ríspido agora. – Além do risco de transmissão existe algum outro motivo para elas estarem tão escondidas e terem tantas portas e trancas por aqui? Há quanto tempo elas estão aqui? E seus pais?

Não tocaria no assunto do pagamento, afinal, não foi por dinheiro que decidi tornar-me médico. A prioridade era a saúde das crianças mesmo que tivesse que intervir em assuntos mais complicados. Mas torceria para tudo ser apenas minha imaginação e que minha paranoia fosse nada.



Ao narrador:
 

Objetivos:
 

Status da Aventura:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

- Ficha - Aventura - Galeria -

- Fala
"Pensamento"
- Fala / "Lembrança de fala" de terceiros



Voltar ao Topo Ir em baixo
Muffatu
Narrador
Narrador
Muffatu

Créditos : 14
Warn : Natureza Médica 10010
Data de inscrição : 04/02/2020

Natureza Médica Empty
MensagemAssunto: Re: Natureza Médica   Natureza Médica EmptyTer 14 Abr 2020, 21:45

Muffatu Presents:

Sombra e Luz




As perguntas do médico claramente não mexiam com a postura de Maschul Etah, acostumada aos questionamentos quanto a sua forma de ser e agir.

- Oi tio! Meu nome é Tom.. Tom Hignoshika. Estou tossindo bastante sim tio. Mas não sai nada não. Também … A… A…. AAAA…. TCHIMM!! Também tem espirro… A cabeça tá doendo aqui ó. – O pequeno Tom mostra a testa. – E é isso tio. Não tem mais nada para contar não tio. Ah! Ontem teve brócoli no almoço! Foi um dia super legal! Mas a gente não pode brincar… Porque estamos dodói…Aí a gente fica na creche.

A mulher sorri enquanto o doutor termina de dar suas instruções e então ela fala.

– Como pode ver, Dr. Raghu, não há nada de mais… Sim, vou providenciar alimentação rica em vitamina A, mandarei Kader comprar água de coco para as crianças e deixar à vontade para elas. Quanto ao banho, providenciarei os banhos mornos ou gelados. Elas estão aqui há mais ou menos dois dias, desde quando começou o surto.– Ela vai caminhando para longe das crianças como se quisesse falar baixo a próxima parte. - Os pais sabem que aqui no fundo é uma creche. A entrada é em outro local, passamos pela porta dos fundos. É um terreno grande por aqui, como deve ter percebido. Tenho a pousada, um pequeno comércio de fumo e a creche. Cada um com sua entrada. Eu tenho essas portas para facilitar a minha passagem pelos ambientes. Se quiser, pode se hospedar aqui, não será lhe cobrado nada. Peço só que ajude os pequenos. Os pais vem buscá-los após o expediente. Ao menos 10 deles… Tenho 2 órfãos que cuido por aqui... – Etah mostra a foto de duas crianças quando fala dos órfãos, uma delas o pequeno Tom.
Etah começa a caminhar junto ao doutor voltando para perto das crianças.


– Como falamos para o doutor por estar cuidando da gente?

– OBRIGAADOOO

Respondem os pequenos em uníssono. Eram claramente todas pobres, sem condições de pagar um médico. A velha encosta no ombro do doutor, como quem dá o aval para ele trabalhar e começa a voltar para a entrada.

– Doutor, quando quiser sair é só seguir esse corredor a sua direita, passará por uma porta e então Kader estará ali para abrir para o senhor, tudo bem? Qualquer coisa é só me chamar!

Ela dá dois passos se vira para trás para falar sua última frase: – O jantar é as 20h. Os sapatos fazem um barulho tipico de madeira ao caminhar mais rapidamente saindo do lugar e trancando a porta atrás dela.

Assim que ela faz isso, mais uma criança entra pelo corredor onde seria a porta de entrada e saída. Ao lado de Kader, o menino está claramente com feições fracas. Aparentemente bem debilitado, sem conseguir segurar direito o menino, ele cai ao chão. Kader olha assustada para o médico.


– Gatinho, esse aqui piorou do nada… Eu estava dando banho nele, sabe? E ele começou a ficar mais e mais mole… E agora?? O que faremos? Ele vai ficar bem? Me diz que ele vai ficar bem doutor!!

Pelo visto ali, o sarampo não era o único inimigo… E agora, José?
bichaelson



[/color]
Código:


[color=#00ffff] - Tom Hignoshika
[color=#ff66ff] - Maschul Etah
[color=#cc9900] - Velho Jhon
[color=#ff6699] - Kader Ni Etah

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


“Aventuras”:
 


Objetivos:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Raghu
Designer
Designer
Raghu

Créditos : 3
Warn : Natureza Médica 10010
Masculino Data de inscrição : 07/03/2015
Idade : 24
Localização : Limbo

Natureza Médica Empty
MensagemAssunto: Re: Natureza Médica   Natureza Médica EmptyQua 15 Abr 2020, 04:08




Natureza Médica

- Oi tio! Meu nome é Tom.. Tom Hignoshika. Estou tossindo bastante sim tio. Mas não sai nada não. Também … A… A…. AAAA…. TCHIMM!! Também tem espirro… A cabeça tá doendo aqui ó. – O pequeno Tom mostra a testa. – E é isso tio. Não tem mais nada para contar não tio. Ah! Ontem teve brócoli no almoço! Foi um dia super legal! Mas a gente não pode brincar… Porque estamos dodói…Aí a gente fica na creche.

Ouviria as respostas do jovem Tom com atenção, tentando sempre passar confiança para a criança. Chegaria no fim a conclusão já esperada. De fato, era bem provável que estaria lidando com Sarampo àquela altura e, portanto, as recomendações dadas à senhora estavam corretas, apenas me atentaria à dor de cabeça relatada, questionando a existências de remédios para isso.
Respiraria fundo após estas e seus questionamentos a respeito das crianças, aguardando pacientemente uma resposta. Temi ter sido grosseiro mas a postura e, principalmente, a resposta de Etah mostraram que ela não havia sido afetada.

- Elas estão aqui há mais ou menos dois dias, desde quando começou o surto. – Disse a velha, me fazendo levar a mão até o queixo com o indicador levemente levantado cobrindo os lábios. - Os pais sabem que aqui no fundo é uma creche. A entrada é em outro local, passamos pela porta dos fundos. – Suspiraria aliviado com essa fala, abaixando o braço e abrindo um sorriso para ela. - Peço só que ajude os pequenos. Os pais vem buscá-los após o expediente. Ao menos 10 deles… Tenho 2 órfãos que cuido por aqui...

Convencido, levaria a mão direita até o mesmo lado do peito, fechando rapidamente o semblante para demonstrar seriedade. Com os olhos cerrados e os lábios secos, prometeria seus serviços, dessa vez de forma mais sucinta.

- Eu prometo que cuidarei delas. Aceitarei de bom grado me hospedar aqui, se você não se importar.

Ouvir o agradecimento prévio das crianças encheu meu coração de felicidade e, finalmente, da certeza de que estava fazendo a coisa certa após tanto tempo. Anotaria mentalmente os últimos recados da senhora antes dela ir embora, voltando minhas atenções mais uma vez para as crianças.

- Muito bem, estou aqui para vocês sempre que precisarem de qualquer coisa, ok? Algum de vocês sente algo diferente do que eu perguntei para o Tom? Ou está com alguma daqueles sintomas incomodando mais do que o coleguinha? Uma tosse bem forte, por exemplo.

Talvez antes que pudesse ter uma resposta notaria uma nova criança vindo pela entrada junto com a jovem garota que encontrei mais cedo. De feições fracas e mal se aguentando de pé não demorou muito para que ele caísse no chão, o que em fez praticamente correr em sua direção. Abaixaria ao seu lado, levantaria gentilmente suas costas e apoiando-as em sua perna esquerda, buscaria tocar seu peito com a mão direita para conferir sua respiração e, em seguida, procuraria tocar partes específicas de seu corpo para tentar encontrar outros possíveis sintomas.

- Eu estava dando banho nele, sabe? E ele começou a ficar mais e mais mole… E agora??

- O banho estava quente?! – Ignoraria as perguntas sobre o futuro da criança.

Caso a resposta fosse positiva e tivesse sentido uma febre alta vinda do garoto, removeria o excesso de roupas do mesmo, mantendo-o com apenas o suficiente para não causar constrangimentos à criança. – Traga-me uma toalha molhada em água fria, por favor. – Pediria para a garota. Precisando aguardar ou não o pegaria no colo e passaria o olho por todo aquele local, procurando uma janela, de preferência aberta, ou um local onde julgasse ser mais arejado que o restante do cômodo e o levaria para a cama mais próxima daquele ponto, pedindo licença caso estivesse ocupada. Colocaria a toalha molhada, sobrada, sobre sua testa para ajudar a diminuir a temperatura. Mesmo se a febre não estivesse elevadíssima, faria este procedimento, com exceção da toalha.

- O que você está sentindo, garotão? - Buscaria atrair sua atenção, para que se mantivesse acordado e lúcido tanto quanto o possível.

Daria os primeiros socorros ao garoto de acordo com a sua experiência e da possível resposta dele, tentaria examina-lo em seguida, porém a ideia de que a criança estivesse com outra enfermidade além de sarampo estaria crescendo em minha cabeça.

- Sabe me dizer se ele teve contato com alguma outra coisa? – Perguntaria para a mulher. – Ou se ele tem algum histórico de doenças na família? – Buscaria qualquer informação que facilitasse o meu diagnóstico, mas no fim, confiaria muito mais nas minhas habilidades médicas durante o exame.



Objetivos:
 

Status da Aventura:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

- Ficha - Aventura - Galeria -

- Fala
"Pensamento"
- Fala / "Lembrança de fala" de terceiros



Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Natureza Médica Empty
MensagemAssunto: Re: Natureza Médica   Natureza Médica Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Natureza Médica
Voltar ao Topo 
Página 1 de 3Ir à página : 1, 2, 3  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: North Blue :: Lvneel Kingdom-
Ir para: